Corte e CosturaConsiderado como passatempo de muitas donas de casa ou como forma de trabalho, a prática do corte e da costura está no passado, no presente e, provavelmente, no futuro da sociedade humana e na história da moda. A costura foi o modo artesanal que o homem achou de poder confeccionar suas vestimentas, item que sempre foi necessário para nós. As primeiras roupas que se tem notícia eram feitas de peles de animais de caça. Mais tarde, várias descobertas apareceram, como o fogo, os instrumentos de pedra lascada e também a pecuária. Esse último, que é a criação de animais, para extração de materiais de origem animal, deu a possibilidade de criar animais com o fim de usar suas peles como roupa. As agulhas, objeto indispensável para a costura, também já têm bastante tempo de existência: existem registros de ossos e pedras, usados como agulhas, há mais de 30 mil anos.

A evolução da costura e as técnicas passadas de geração em geração de várias civilizações nos levaram ao cenário de amplo uso da costura. É normal ter na família alguém que saiba costurar ou alguém que tenha uma máquina de costura em casa. Colocar um botão que caiu de alguma camisa, costurar algum rasgão que abriu na roupa, pregar um zíper que está saindo... Saber costurar ainda é um conhecimento muito útil.

Já no outro lado da moeda, existe a parte luxuosa da costura. É ela que preenche as passarelas de cidades como Paris, Milão, Nova Iorque e, para um exemplo mais próximo, São Paulo. As passarelas da moda e os eventos que acontecem todos os anos são o palco para demonstração da criatividade e genialidade, segundo alguns críticos, dos estilistas da “alta-costura”. E para entrar nesse “time”, não basta ser bom: existe uma série de pré-requisitos que devem ser preenchidos para poder dizer que faz parte desse nicho social. Lançar, ao menos, duas coleções de 35 peças, cada uma, ao ano (estações outono-inverno e primavera-verão) e realizar todas essas peças à mão (produção artesanal) são algumas das exigências para fazer parte desse mundo.

Mas se você ainda não tem muita prática com linha e agulha, não se preocupe! Aqui, você encontrará dicas básicas e mais avançadas sobre essas técnicas, desde o luxuoso mundo da alta-costura, até as técnicas com a sua máquina de costura. Confira tudo aqui.

Corte e Costura Passo a PassoCurso de Corte e Costura

O Brasil possui diversos cursos de corte e costura, que vão desde os presenciais, aos cursos de corte e costura online e à distância. São procurados por quem viu o ramo das confecções e costura uma oportunidade de trabalho. No curso, o estudante aprende como tirar as medidas de uma roupa, como projetar e copiar moldes, as habilidades da profissão, como fazer acabamentos em roupas, como realizar pequenas costuras e o corte correto de uma roupa.

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) fornecem cursos de corte e costura em diversos estados do país. O Instituto Universal Brasileiro oferece curso de corte e costura a distância para todo o Brasil. A escola fornece o material para os alunos estudarem e um DVD, para que eles possam assistir as aulas.

Nos cursos a distância, é importante que o aluno esteja empenhado nas classes para que possa aprender com mais eficiência. Já o curso online também é bem procurado pelos alunos, mas a escolha de qual curso é bom para você deve ser baseada na flexibilidade de sua rotina e na oferta em cada região.

Corte e Costura no Rio de Janeiro (RJ)

  • ESCA - Escola de Costura Modelagem;
  • P e N Modelagem Industrial;
  • Multi Artes Cursos;
  • New Corte Modelagem Industrial Ltda.

Corte e Costura em São Paulo (SP)

  • Cursinho da Elis – Corte e Costura;
  • Escola de Moda Dulce;
  • Maximolde;
  • Apemp Promoda Escolas Reunidas.

História da Costura

A costura é, e sempre foi, uma prática tão presente na humanidade que é um pouco difícil definir, exatamente, quando teve seu início entre nós. Os primeiros registros de instrumentos usados como agulhas (que, na época, eram feitos de ossos e marfim) foi há mais de 30 mil anos. A tecelagem (técnica de entrelaçar fios transversalmente e longitudinalmente, de forma a se obter tecidos) também remete a tempos longínquos: mais de cinco mil anos atrás, sendo que a tecelagem da época era feita com pelos e, principalmente, couro de animais de caça ou cultivados.

Com o passar do tempo, e o aperfeiçoamento das técnicas de costura, nasceu a profissão de costureiro. Todo o início dessa história mostra que, em seu princípio, ela tinha um uso específico: as roupas eram necessárias pra que ninguém andasse nu pelas ruas e em regiões como a Europa, que tem invernos bem rigorosos, para ser proteger do frio e assim por diante. Até que na recém-descoberta cidade de Çatal Hüyük, uma espécie de comunidade do período neolítico, foi possível encontrar um povo que já preocupava com a estética das vestimentas, algo semelhante em civilizações que existiriam futuramente, como os egípcios e os sumérios. Essas sociedades elevaram o cargo de costureiro a ser um profissional de mais importância. Essa valorização aconteceu principalmente, na sociedade persa, onde se têm registros de peças com mais conforto e mais personalizadas.

Outra época importante para a história da profissão foi a Idade Média, principalmente na Europa, onde teve início a confecção de túnicas de algodão, que protegia do forte frio europeu. Além disso, esse ramo começou a movimentar mais dinheiro, principalmente pelo fato de que, naquele momento, as roupas eram costuradas com detalhes de joias ou pedras preciosas e pela sua melhoria, fruto da crescente habilidade dos artesãos. Assim, como era no início, não havia cursos profissionalizantes pra essa profissão. Com isso, o conhecimento era passado do mestre para o aprendiz. O mestre ( alfaiate) escolhia alguém (aprendiz) para herdar seus conhecimentos. Algumas vezes, esse aprendiz era o próprio filho do mestre; outras vezes, algum outro garoto. A Idade Média fez com que a costura passasse a ser uma atividade lucrativa e concorrida.

A costura teve um caráter artesanal até a Revolução Industrial. Entre as várias mudanças que essa época trouxe, a costura em escala industrial foi uma delas. É nítida essa mudança em países como a Inglaterra, em que a área dos tecidos foi uma das mais atingidas pela Revolução Industrial. Nessa época, começaram a ser feitas máquinas que realizassem mais costuras que os alfaiates faziam, de forma mais rápida e com uma padronização na produção que não podia ser repetida pelos artesãos.

Máquina de Costura

Máquina de Costura

A primeira máquina de costura a ser feita e patenteada foi idealizada para trabalhar com couro e o detentor da invenção foi Thomas Saint, em 1790. Essa máquina, na verdade, era usada para costurar calçados. A primeira máquina de costura em nível industrial e que se dedicasse ao vestuário foi a do alfaiate francês Barthelemy Thimmonier, em 1830. Isso deu início à costura industrial, o que incomodou bastante os artesãos, que não poderiam acompanhar o ritmo das empresas. O fato levou esses artesãos a manifestos constantes contra as indústrias de roupas, a ponto de atear fogo nas máquinas de Barthelemy. O inventor, aliás, teve de se retirar da França, pois foi, várias vezes, ameaçado de morte pela classe dos costureiros.

Mesmo com a revolta dos artesãos, a indústria têxtil teve um forte início, produzindo roupa em massa para a população. Apesar de ser o grande trunfo da empresa têxtil, a produção em massa foi justamente o fator que possibilitou a continuidade da confecção de roupa artesanal. Era comum a comunidade em geral padronizar alguns tipos de  roupas, a burguesia queria se distanciar das classes inferiores em relação ao poder aquisitivo, o que levou a burguesia a procurar alfaiates, em busca de exclusividade no vestuário. Isso fez com que os artesãos continuassem com seu ofício, mas, agora, tendo uma classe mais abastada como cliente. A mudança de clientela fez algumas modificações na mentalidade de produção desses alfaiates e provavelmente esse movimento em busca de exclusividade foi um dos marcos para o início da alta-costura.

Já a costura industrial continuou tendo melhorias nas máquinas, aumentando a produção, diminuindo seu tempo de execução e aumentando a variedade de roupas produzidas. Em 1850, o norte americano Isaac Merrit Singer fez mudanças (principalmente no modo como a agulha se movia e no pedal) na máquina de costura da época. A patente dessa nova máquina foi feita em 1851, o que deu início à empresa “Singer”, que teve um grande começo desde seu início com a venda dessa máquina de costura. Outras empresas foram criadas e a empresa têxtil usando cada vez mais tecnologia. Hoje, existem máquinas específicas para cada tipo de costura ( máquinas de zig-zag, interloque, elastiqueira e outras) e que consomem menos energia do que as “tradicionais”, produzem mais rápido e com padronização.

A costura, apesar da industrialização, não perdeu seu valor artístico e criativo. O mercado da moda, intimamente ligado à costura, movimenta milhões, baseado na criatividade dos seus criadores. Além do mais, máquinas de costura pessoais são fáceis de ser adquiridas, dando condições de criação de roupas e outras peças sem sair de casa.

Dicas de Costura

Para as pessoas que ainda não têm muita prática com o manuseio da agulha e da linha, nesta parte do site você confere algumas dicas para começar o mais rápido possível no mundo da costura.

Desde o modo básico até algumas dicas dadas por costureiros experientes, essa página servirá para os iniciantes e para os que já estão há mais tempo nesse campo.

Equipamentos de Costura

Antes de qualquer coisa, para começar a costurar, é necessário ter à disposição uma série de instrumentos que serão indispensáveis à arte da costura. Aqui, você confere uma lista de alguns itens que serão importantes para começar a costurar:

  • Tesoura de costura( 15 ou 18 cm);
  • Tesoura de recorte ( com zigue-zague);
  • Botões de diferentes tipos;
  • Agulhas de formas e tamanhos variados;
  • Linhas de várias cores;
  • Alfinetes e almofada de alfinetes;
  • Fita métrica;
  • Régua própria para costura (vazada no meio);
  • Dedal;
  • Fita autoadesiva;
  • Presilhas, ganchos e colchetes;
  • Retalhos (os mais variados possíveis).

Equipamento de Corte e Costura.A recomendação é que se tenha um estojo ou alguma caixinha que sirva para guardar esses utensílios. Eles também podem ser guardados em alguma gaveta ou armário da sua casa ou escritório. No entanto, a ideia do estojo é mais prática por permitir que se carreguem esses instrumentos com você no dia a dia, afinal, ninguém sabe quando vai aparecer uma emergência, não é mesmo?

Outro instrumento de vital importância na costura é a máquina de costurar. Existem várias máquinas no mercado de diferentes tamanhos, tipos de costura e preços. A Singer, empresa fundada por Isaac Singer, nasceu com a invenção de uma das primeiras máquinas de costura pessoais. É uma das líderes de mercado, tendo várias máquinas de costura à venda. Também existem marcas que disputam o mercado como as de costura da Elgin e a Janone.

As máquinas se dividem naquelas de uso doméstico e nas de uso profissional, para empresas que fabricam roupas. O nível das máquinas domésticas tem crescido tanto que já está próximo das máquinas industriais. Modelos digitais com várias funções diferentes têm sido a ponta do mercado no que diz respeito à tecnologia.

Pontos Básicos de Corte e Costura

Linha CosturaA costura é bastante praticada de forma artesanal por mulheres que não trabalham, necessariamente, com essa área. Quando cai aquele botão da camisa do marido ou é preciso fazer a barra da calça do filho, conhecimentos de cultura dessas mulheres fazem muita diferença. Nessa seção, confira algumas dicas básicas para quem está começando agora e alguns “pontos” para quem já tem mais prática com a agulha e com as linhas

Ponto Espinho: Começa no sentido da esquerda para direita. É usado geralmente para fazer barras em casa. Pegar alguns fios do tecido (acima da bainha) e alguns da bainha, formando cruzes diagonais. Pode ser usado de forma decorativa também.

Pesponto: Esse ponto parece uma linha sequencial de pontos iguais. Ao ser verificado o avesso do tecido, os pontos são duas vezes mais longos que os de cima. Use um fio único com nó e vá da direita para a esquerda. Insira a agulha por baixo das camadas de tecido um pouco para a esquerda de onde sua costura vai começar. Agora vá com a agulha para o o lado oposto do tecido até o nó. Insira a agulha pela parte de atrás, onde sua costura irá começar. Leve a agulha para cima 1/2 cm acima dessa inserção e puxe bem. Coloque a agulha para cima na mesma proporção além dessa intercação e puxe a linha para o lado oposto. Daí em diante, é só continuar no mesmo movimento.

Ponto Cadeia: É feito no sentido esquerda-direita. Consiste em passar a agulha de trás para frente e após um intervalo de, mais ou menos, meio centímetro, passar novamente a agulha; porém, para trás.

Chuleado: É feito da direita para a esquerda. Tem um caráter mais de acabamento e serve para evitar que a borda de um tecido desfie. Dê um nó no fio e use a agulha para começar costurando a parte de baixo da peça da roupa. Puxe a linha através do nó e insira a agulha pelo lado avesso novamente, um pouco à esquerda do nó. Puxe a linha para o outro lado, mas não com muita força, para o tecido não se enrugar. Quanto mais propenso ao esfiapamento for o tecido, mais próximos deverão ser os pontos da costura. Mantenha a profundidade dos pontos igualmente.

Alinhavo: É trabalhado da direta para a esquerda. Sua função é a união provisória de dois tecidos. No período de criação de uma roupa, para fazer testes como a altura ideal da bainha, do punho, qual local ficará a gola e para outros testes necessários, é usado o alinhavo. É realizado com uma linha sem nó, para puxar com mais facilidade. Para fazê-lo, passe a agulha e a linha pelo pano, para fora e para dentro. O alinhavo pode ter um pouco mais de um centímetro. Puxe um pouco o fio para o outro lado oposto do tecido, prendendo a ponta entre seu polegar e o indicador, para que ele não seja puxado totalmente. No mais, é só repetir o processo.

Ponto Luva: É executado da esquerda para direita. Basta fazer pontos pequenos, mais inclinados, pegando alguns poucos (dois ou três) fios da borda do tecido costurado

Ponto Corrido: Deve-se começar no sentido direita-esquerda e é usado de forma mais trabalhada e estética. Tem características do alinhavo e do pesponto: prende-se um único fio nos dois lados por meio de um nó. Insira a agulha pelo lado contrário e passe-a pelo tecido, de dentro e para fora, uniformemente. Puxe a linha para o lado oposto, mas sem enrugar o tecido.